Liga Brasileira de Free Fire

Um dos projetos mais bem sucedidos no cenário brasileiro de esports, a FURIA chegou no Free Fire e estará na disputa da primeira temporada da Liga Brasileira. O elenco, que anunciado pela organização ainda em dezembro do ano passado, é formado por Avengedx, ImJouH, Solotov, Roff e o técnico Brunin, todos ex-membros da RyZe xCry, equipe que chegou nas finais das duas últimas temporadas da extinta Free Fire Pro League (FFPL).

Habilidosa individualmente e coletivamente, a FURIA sempre passou despercebida em meio aos grandes times, mas manteve-se presente na elite mesmo sem ter os holofotes voltados para ela. Embora não tenha conquistado nenhum título expressivo até o momento, a equipe sempre foi o algoz dos adversários que carregavam consigo o favoritismo em uma determinada competição. 

O que mais prejudica a FURIA é a irregularidade no jogo apresentado pelos seus jogadores. O elenco é muito “8 ou 80”, ou seja, uma hora performam muito bem, outrora mal. Esse, inclusive, foi um dos motivos que quase deixou Solotov e companhia de fora da última final da FFPL. Mesmo somando boas apresentações em Purgatório, a equipe sempre decaia em Bermuda, e vice-versa, demonstrando assim uma irregularidade ao longo das quedas.

Por ter mantido o elenco que já disputou duas etapas da Pro League no passado, a FURIA aposta na sinergia dos jogadores como um dos principais pontos que podem favorecer o time na primeira etapa da Liga Brasileira de Free Fire (LBFF). Isso, somado a todo o suporte que uma organização como a FURIA oferece dentro e fora de jogo, pode elevar ainda mais o nível do quarteto, que precisará correr atrás de uma regularidade de resultados a fim de não ficar para trás em relação aos principais times da LBFF.


Leia também: