Free Fire Pro League

Embora já tenha acontecido no meio de novembro, o Mundial de Free Fire deixou muitos vestígios e histórias para serem contadas. Mesmo que o Corinthians tenha sido um dos principais protagonistas, não só pela conquista do título, mas por toda a torcida que se manteve ao lado dos jogadores queda após queda, é impossível não falar da Sbornaya ChR, time russo que quase levantou o troféu em solo brasileiro.

Em busca de destrinchar o que aconteceu naquele sábado, dia 16 de novembro, nós conversamos com o capitão da Sbornaya, Magomed “Dzarmaro“, que também foi um dos destaques do World Series. Durante a entrevista, ele comentou sobre o vice-campeonato, o que faltou para que o troféu embarcasse para a Rússia, o sentimento de jogar próximo da torcida brasileira, e mais.

Elenco da Sbornaya ChR durante a entrada dos times na Arena Carioca (Foto: Bruno Alvares/César Galeão/Garena)

De início, logo questionamos o jogador com relação ao sentimento de ter ficado a um passo do título. Foram ao todo 2190 pontos acumulados ao longo das oito quedas – 110 a menos que o Corinthians, campeão com 2300 pontos.

Ficamos chateados com o resultado final porque queríamos o primeiro lugar, mas ao mesmo tempo ficamos felizes pelo bom desempenho que conseguimos apresentar“, disse Dzarmaro.

O domínio da equipe russa, que naquele momento disputava o seu primeiro presencial, foi uma surpresa para todos, especialmente pelo fato da região em questão carregar o algoz de ser uma das mais fracas do mundo. Em resposta a tudo isso, a Sbornaya se provou como um dos times mais fortes do campeonato e colocou no bolso equipes de regiões tidas como mais fortes.

Foi a primeira vez que jogamos em uma arena e foi incrível, não tivemos problema algum quanto a isso. Eu acho que as outras equipes subestimaram um pouco a gente, principalmente pela campanha da região no ano passado, quando o time da Rússia ficou na última colocação. Dessa vez, surpreendemos a todos“, levantou o capitão.

Provamos ao mundo que existem bons nomes na Rússia e o nosso resultado certamente motivará os outros times da região, que passarão a praticar ainda mais para continuar provando a nossa força ano após ano“, continuou.

Entre os problemas que atrapalharam o time no campeonato, Dzarmaro destaca a falta de proximidade com o equipamento utilizado no dia do Mundial.

Presumo que o que faltou para nós foi a falta de tempo para nos adaptarmos com os telefones da Samsung. Temos dispositivos muito diferentes e não estávamos familiarizados com aqueles celulares. Tamanho de tela, sensibilidade, configurações, precisamos ajustar tudo isso“, contou.

Pode parecer que não, mas treinar com o celular que é disponibilizado nos campeonatos oficiais faz muita diferença para os jogadores. Isso, inclusive, fez com que Dzarmaro fizesse uma crítica com relação ao desempenho apresentado pelos times brasileiros no torneio.

Ficamos muito chateados (com o nível dos times brasileiros) porque eles estavam muito abaixo das nossas expectativas. Esperávamos que o nível fosse muito mais alto que o da nossa equipe, mas perdemos o campeonato por uma diferença de apenas cento e dez pontos, mesmo com os problemas relacionados à falta de adaptação com o dispositivo da competição, algo que não afetou muito os times brasileiros, eles já usavam o telefone em questão“, desabafou.

Apesar de tudo, Dzarmaro fez questão de encerrar a entrevista parabenizando o time do Corinthians e deixando um recado para a torcida brasileira.

Gostaria de parabenizar o time campeão e agradecer pela partida ter sido tão competitiva, espero muito encontrar vocês em outros campeonato. Para os fãs brasileiros: desculpem-nos caso vocês tenham notado algumas provocações da nossa parte, foi algo momentâneo por causa do clima competitivo. Por favor, não pensem que estávamos sendo rudes ou desrespeitosos“.