Por: Daniel Esdras

Após as duas conquistas seguidas do Corinthians – a terceira edição da Pro Legue e o Mundial de Free Fire – conversamos com um dos grandes destaques da equipe, o Fixa. Capitão da equipe paulista, ele foi o MVP da terceira edição da Pro League e um dos destaques do mundial.

O estrategista corintiano contou mais sobre como foi a formação do time, a jornada até os títulos e fez previsões sobre o futuro do time e do Free Fire. Spoiler: no que depender do “capita”, vem muito mais títulos por aí!

Fixa segurando o troféu da Free Fire World Series após a conquista do título

Chamando a “responsa”

Carlos “Fixa” César é maranhense e tem apenas 18 anos, mas a maturidade impressiona. Na nossa entrevista com o Nobru você já viu, ele é o grande responsável pelas calls do time.

Durante as partidas do Corinthians, o Fixa é o mais comunicativo, fica o tempo inteiro passando instruções para os companheiros. Na coletiva após o mundial, o garoto nem se quer tinha voz para responder aos jornalistas.

Com poucos meses de formação, o time do Fixa já conquistou os dois títulos mais importantes do circuito, mas para ele tudo está dentro do esperado.

“Em outras entrevistas eu já falava que tinha colocado isso na cabeça, que íamos atrás desses dois troféus com muita garra. Eu chegava nos meus jogadores e falava, confia em mim que tudo vai dar certo, se vocês ainda não acreditam no time, acreditem em mim e faz o que eu pedir. Só tenho a agradecer aos meninos por terem acreditado”, disse.

Se dentro do jogo o Fixa é o responsável por manter o time jogando de acordo com o planejamento, Fernando, chamado pelo capitão de líder, é o responsável por manter a equipe nos eixos no dia a dia.

“O Fernando é praticamente o dono desse time do Corinthias, o líder é o responsável por fazer todo mundo ficar na linha. Para a estratégia temos um técnico também. Dentro do jogo sou eu”, expôs.

Corinthians foi campeão da Free Fire World Series 2019 no Rio de Janeiro

A importância da instituição Corinthians

O time do Corinthians é bem diverso, conta com jogadores de vários estados brasileiros. O Fixa é do Maranhão, o Japa e o técnico do time do Pará, já o Level Up veio de Salvador, somente o Nobru já morava em São Paulo.

Segundo o capitão, a principal contribuição do timão foi ter colocado todos sob o mesmo teto para treinar e competir.

“O nosso time veio cada um de um lugar, com a contratação do Corinthians todo mundo veio para São Paulo e esses meninos deixaram de ser só amigos e se tornaram irmãos. Treinar junto todo dia com a equipe toda que eles criaram é um diferencial”, afirmou.

Fixa e seus companheiros representavam a ex-Bando de Loucos quando receberam a proposta do Timão

Vários dos jogadores da equipe já eram nomes importantes do cenário e participaram de campeonatos importantes antes, como a segunda edição da Pro League. O segredo para encontrar os jogadores certos teve muita ligação com o Pires, outro atleta da equipe.

“Eu já sabia que o Corinthians estava interessado uns quatro meses antes do anúncio, mas não acreditei até se confirmar. O Pires me avisou que eles queriam me contratar para morar lá em São Paulo e eu topei. Eu tinha recebido outras propostas, mas escolhi o Corinthians pelo Pires e pela camisa”, proferiu.

A formação contou com destaques individuais consagrados, mas os mais novos se superaram e agora também são importantes.

“Nós tínhamos dois leões já, o Nobru e o Level, mas os caçulinhas, como o Japa, também foram se destacando, hoje o japa também é um leãozão, jogando demais. O time está muito forte”, continuou.

Viver de Free Fire

O Free Fire vem quebrando barreiras no esports nacional e dando oportunidades para garotos que sonhavam em jogar profissionalmente mas não tinham condições de ter um equipamento de ponta. Os garotos do Corinthians levaram 800 mil reais de prêmio, uma quantia considerável de dinheiro, mas que o capitão não vai usar em benefício próprio.

“O prêmio é realmente grande, é muito dinheiro, mas eu quase não vou aproveitar. Eu quero mesmo é ajudar a minha família, é graças a eles que eu estou aqui hoje”, respondeu Fixa.

Perguntamos se ainda é cedo para falar em viver de Free Fire, e ele respondeu:

“O Free Fire vem crescendo muito e mudando muitas vidas. Não só de jogadores. Temos streamers e influencers que estão vivendo de Free Fire também e acho que a tendência é só crescer, especialmente aqui no Brasil.” O capitão está certo mais uma vez, a transmissão do Mundial bateu recordes de visualizações, com mais de 1,2 milhão de espectadores simultâneos”, analisou,

Se você pensa que o Corinthians vai parar por aqui, está muito enganado. O capitão fixa já deixa o aviso:

“Ano que vem vai ser ainda melhor, vamos treinar muito e mais títulos de Pro League e Mundial vem aí!”, finalizou.

Corinthians deve permanecer o mesmo para a 4ª temporada da Pro League