O Free Fire World Series 2019, campeonato mundial de Free Fire, acontecerá no dia 16 de novembro, na Arena Carioca 1, localizada no interior do Parque Olímpico, no Rio de Janeiro. Estarão na disputa do título 12 equipes das principais regiões competitivas do Battle Royale da Garena.

São elas: Brasil, Sul e Norte da América Latina, América do Norte, Índia, Europa/Rússia, Indonésia, Tailândia, Sudeste Asiático/Malásia, Vietnã e Oriente Médio/Norte da África. Todas as equipes se classificaram como campeãs de sua região, com exceção da LOUD, que terminou a temporada como vice-campeã brasileira, mas conseguiu se classificar pelo fato da anfitriã do torneio ter duas vagas.

Free Fire World Series acontece no dia 16 de novembro, no Brasil

Conheça um pouco sobre cada uma das equipes que estarão disputando o título mundial na cidade maravilhosa:

Corinthians Free Fire

Região: Brasil

Line-up: Fixa, Nobru, Japa e Pires e Level Up.

Uma das equipes que representará o Brasil na competição, o Corinthians é um dos favoritos ao título da Free Fire World Series 2019. A campanha do Timão na fase de grupos foi a segunda melhor do campeonato e o esquadrão se portou regularmente em uma final mais do que equilibrada. Além de ser muito bom nas trocações, o time do Corinthians faz rotações inteligentes e consegue crescer bastante, não só em uma partida única, mas também em uma série. Pode-se dizer que a regularidade e a evolução dentro de jogo são duas das principais características do SCCP. 

Entre os jogadores, os destaques da equipe são Fixa e Nobru. Capítão da equipe, Fixa foi eleito o melhor jogador da final. Ele faz boas chamadas e está sempre guiando o time no caminho certo, enquanto Nobru exerce muito bem o papel de killer, sempre conseguindo abates importantes nas partida

LOUD

Região: Brasil

Line-up: Bradoock, Will, ShariiN,Vini e VoltaN

A segunda representante brasileira é a LOUD, que terminou as finais da Pro League como vice-campeã do torneio. A equipe quase é superada pela paiN Gaming, que por 30 pontos não conseguiu a pontuação necessária para ultrapassá-la e garantir a segunda vaga no Mundial. A principal característica da LOUD é a atitude e o poder de trocação. O quarteto não tem medo de invadir propriedades já dominadas e sempre que rotaciona, gosta de buscar adversários que estão desprevenidos para iniciar uma trocação. Embora a agressividade traga bons resultados à equipe, pontos negativos também podem ser vistos, afinal, o time às vezes se afoba demais e acaba se perdendo na partida. 

Donos de uma das torcidas mais apaixonadas no Free Fire, todos os jogadores da LOUD tem um papel fundamental no time, entretanto, vale destacar Will e ShariiN pelas trocações e rotações, respectivamente. 

Samurai Team

Região: LAS (Sul da América Latina)

Line-up: 14DELTA, ALEX18, Ragnar, Michael e Hassan

O representante da região LAS, que abrange os países Argentina, Bolívia, Chile, Peru, Uruguai, Antilhas Holandesas e Guiana é o Samurai Team, que levantou o troféu da Free Fire League no palco da Argentina Game Show 2019. 

A final do campeonato da América Latina sul foi bastante disputada e todos os cinco primeiros times da tabela tinham chances reais de sair com o título. O que fez com que o esquadrão da ST saísse vitorioso foi a sua constância durante as sete quedas disputadas. O quarteto teve seus momentos ruins na disputa, mas em compensação, gritou dois BOOYAHs e garantiu o segundo lugar duas vezes, abusando bastante dos pontos de sobrevivência para levar a melhor em cima dos adversários. 

O ST é um time que, diferente de outros classificados, joga em cima de rotações e não de eliminações. Diante de times de regiões como Indonésia e até mesmo do Brasil, pode ser que a equipe tenha dificuldade para desempenhar seu jogo, pois o seu poder de rotação é bem fraco. Entre os nomes que representam o time, vale destacar o boliviano Michael e o argentino Ragnar, as maiores fontes de dano e os jogadores que mais eliminaram no time ao longo da última temporada. 

Infinity Red

Região: LAN (Norte da América Latina)

Line-up: Monkey, Naruch, Carlos, Lupaco e Jeisson

O representante da região LAN, que abrange os países Belize, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Venezuela e Ilhas do Caribe é a Infinity Esports Red,

O esquadrão chega como um dos mais fortes do torneio e com certeza vai brigar pelo título mundial. Líder da fase de pontos e uma das equipes que mais gritou BOOYAH na competição (10 vezes), a Infinity Red é um time que joga de forma bastante agressiva, buscando trocações sempre que possível. Além disso, a equipe não deixa a desejar nas rotações, agregando agressividade e boas trocações à estratégia de sobrevivência, uma combinação que pode trazer muita coisa boa para um time. 

Embora tenha se desempenhado bem tanto em Bermuda quanto em Purgatório durante a fase de pontos, a Infinity Red não conseguiu manter essa regularidade na final, já que foi em Purgatório onde eles gritaram BOOYAH duas vezes. Naruch, da Argentina, e Carlos, do Equador, são os principais destaques do time do norte da América Latina.

Arctic Gaming Mexico

Região: NA (Améria do Norte)

Line-up: JONA14, MEME, PROFESOR, MECHAS07 e Vega

A representante da região norte-americana, representada pelos países Estados Unidos, Canadá e México é a Arctic Gaming MX, que levantou o troféu da Free Fire League NA. O esquadrão embarca no Rio de Janeiro com bastante força e também promete surpreender no campeonato. 

A equipe mexicana não era uma das favoritas ao título da região, mas a estabilidade apresentada na final foi um dos pontos chaves para a conquista do campeonato. Se mantendo na parte de cima da tabela ao longo da final, o esquadrão demonstrou ser sangrento e inteligente na hora de executar seu plano de jogo em ambos os mapas. Até mesmo quando não consegue desempenhar um bom jogo, a Arctic Gaming MX consegue um número considerável de eliminações, o que acaba salvando a sua pontuação. 

 Os destaques da equipe são os mexicanos JONA14 e MEME, que exercem juntos o papel de carregadores da equipe, sendo responsáveis pelas principais eliminações e por maior parte do dano causado. 

NAWABZADE

Região: Índia

Line-up: Radhe.TKR, VRCIOO, GJ_Radhebhai e GJ.Jigar

A Índia, uma das principais regiões do mundo, será representada pela NAWABZADE, grande campeã da Free Fire India Today League. O esquadrão não foi um dos melhores da disputa no quesito colocação, mas apresentou muito precisão nas trocações, demonstrando ser um time bastante sangrento. Entre os três times que estavam brigando pelo título da região, a NAWBZADE se sobressaiu pela quantidade de abates conquistados ao longo das oito quedas (57). 

Bastante agressiva, a equipe se perde um pouco em suas rotações, principalmente no mapa Bermuda, onde não obtiveram muito sucesso na sua liga. A história, no entanto, não é a mesma em Purgatório, consolidado como o melhor mapa do time indiano. Entre os jogadores, vale destacar Radhe.TKR e GJ_Radhebhai.

Sbornaya_ChR

Região: Europa e Rússia

Line-up: Dzarmaro, Pokritel, Mers, Tumso e Metiska

A Europa e a Rússia serão representadas pela Sbornaya_ChR, que levantou o troféu da Eurasia Cup 2019. Das citadas até aqui, a equipe russa foi a que se mostrou mais dominante na final da sua liga, apresentando um bom desempenho tanto em Bermuda quanto em Purgatório. 

Sempre carregada de muitas eliminações, a Sbornaya_ChR gritou BOOYAH quatro vezes na grande final do campeonato russo-europeu, se mostrando um time bastante dominante e preciso em rotações. Uma das características presentes na equipe é o uso constante de veículos para se locomover pelo mapa. O esquadrão não tem medo de trocação e sempre se encontra bem posicionado no final das partidas. 

Dzarmaro e Tumso são dois dos principais nomes do time. Entre eles, Dzarmaro é ainda mais decisivo e consegue crescer bastante em partidas nas quais ele emplaca abates logo cedo.

Dranix Esports

Região: Indonésia

Line-up: Bion, Bay, Delta e DeviL

A Indonésia levantou o troféu na Free Fire World Cup 2019 com a EVOS Capital representando a região. A atual campeã não se classificou, mas a Indonésia estará mais do que bem representada no torneio. A Dranix Esports entra na competição com alto favoritismo e brigará com maestria para cravar o bicampeonato da sua região. Também campeão da ESL Jagoan Series, o esquadrão da Dranix chega preparado para o presencial na Arena Carioca e promete abalar os adversários com as suas rotações inteligentes. O Free Fire é uma potência na Indonésia e as equipes da região sempre estão se reinventando e trazendo algo novo. Se conseguir manter as boas campanhas que fizeram ao longo do ano, os jogadores da Dranix saírão do Brasil com o troféu nas mãos. 

O time é estável e basta apenas um vitória para que ele alavanque e não pare mais, algo bastante favorecedor em uma série de oito jogos. Dos jogadores que podem surpreender no Brasil, vale destacar Bay e Delta. No geral, a equipe da Indonésia não tem um poder de fogo tão alto, mas isso é compensado na boa movimentação realizada pelo time.

Illuminate Slow Twok

Região: Tailândia

Line-up: D_LONG, Ethan, Justin, Luffy e MUE_TOB

A Tailândia também um uma grande região quando se trata de Free Fire e por isso, a sua representante também embarca com força no Brasil. A Illuminate Slow Twok foi a grande campeã da Pro League Tailandesa e se provou ser uma equipe bastante inteligente, que trabalha muito bem as rotações em ambos os mapas. 

Um fato interessante é que alguns locais de queda da equipe são parecidos com os do Corinthians, que venceu a Pro League no Brasil. Isso quer dizer que existem chances das suas equipes se encontrem no início das quedas, o que pode ser um ponto favorecedor para o time brasileiro, que pelas apresentações, conta com uma trocação superior. Dos quatro jogadores, o que melhor se desempenha é o Luffy. 

GODDESS

Região: SEA (Sudeste Asiático) e Malásia

Line-up: RoRo, EtAAA, YOYO, Angu e Oreo

A GODDESS ganhou com folga o SEA Championship, mas o nível da competição na última temporada foi muito baixo e isso já conta como um ponto negativo da equipe, que assim como o time da Tailândia, tem algumas calls de queda semelhante às trazidas pelas representantes brasileiras. 

A trocação do time não é boa e eles se atrapalham diversas vezes durante as rotações, algo que no torneio mundial não será perdoado pelos grandes times. Apesar de todos os pontos negativos, tudo pode mudar na hora do presencial e a GODDESS pode ser uma pedra no sapato para os times que brigam pelo título. EtAAA é o principal jogador do time.

Team Flash

Região: Vietnã

Line-up: Clear, DNP, MiNow1, Cool e RyukVN

A representante do Vietnã é a Team Flash. Ao longo da temporada, eles atuaram sob a tag KOFF, mas logo após a conquista do título, o elenco foi comprado pelo Team Flash, que viu potencial e resolveu investir nos meninos. A classificação do Team Flash foi bastante surpreendente. Eles não eram favoritos ao título do campeonato vietnamita, mas fizeram boas jogadas e contaram com o azar de algumas das adversárias durante a final.

O TF se movimenta normal pelo mapa, nada muito surpreendente positivamente ou negativamente. O ponto negativo da equipe está nas trocações, principalmente na hora de levantar o gelo, algo que o esquadrão do Vietnã faz de forma bem lenta. Se não tomar cuidado, isso pode prejudicar bastante a equipe, principalmente contra os adversários que jogam voltados para trocações. 

Embora não seja um dos países mais fortes, o Vietnã pode surpreender, assim como fez na última World Cup, quando mesmo sem carregar altas expectativas, o time da WAG fez bonito na competição. Entre os jogadores, vale destacar o MiNow1 como um dos mais fortes entre os nomes que representam o time.

INFINITY_YT

Região: Oriente Médio e Norte da África

Line-up: Ninja, HardCrew, Nasro.DvL, BRBZinou, Shadio, LastBoss

A maior incógnita entre as representantes do campeonato é a Infinity, representante da região MENA. O esquadrão foi o grande campeão da Arab Series e embarca no Brasil como uma das principais surpresas do campeonato. 

Por disputar em uma região mais isolada, a INFINITY_YT pode sentir um pouco de dificuldades para se adaptar ao ritmo dos principais times do torneio e isso com certeza vai impactar no desempenho dos jogadores. A equipe não é muito constante, mas durante a final conseguiu evoluir bastante na disputa, começando muito mal e terminando com o título. Outro ponto a ser citado é o formato da final da Arabic Series, disputada em melhor de cinco. As outras equipes passaram por séries melhores de sete/oito jogos e podem chegar mais bem preparadas na final, que será disputada em oito quedas. 

No mais, o destaque positivo da INFINITY_YT é a Ninja. Vale citar que o time conta com uma torcida grande no seu servidor, o que pode servir de motivação para o time representar bem a sua região internacionalmente.