A Pro League de Free Fire entrou na reta de decisão. Nesse final de semana, dias 16 e 17 de março, teremos a etapa presencial após uma fase de grupos que agitou a comunidade desse que é um dos maiores jogos de sobrevivência para celular.

Foram três semanas de confrontos, mas todos realizados de forma online. Agora a brincadeira ficou mais séria, afinal, os 12 times classificados se enfrentarão cara-a-cara nos estúdios da BBL, na cidade de São Paulo.

Um bom desempenho online não significa o mesmo rendimento num torneio presencial. É hora de ser protagonista, até mesmo porque tem muita coisa em jogo: duas vagas para o mundial de Free Fire, que será disputado em Bangkok, na Tailândia.

Casters da transmissão oficial desta temporada, Hads e Felpy já cantaram a bola sobre qual time tem mais chances de ser campeão. Agora é hora de verificar quais jogadores podem chamar a responsabilidade e desequilibrar quando a situação apertar.

Algumas virtudes foram levadas em conta, a começar pelo…

PODER DE FOGO

Como o próprio nome do jogo sugere, Free Fire é um game no qual poder de fogo é fundamental para performar bem no mapa.

Todo time que se preze precisa de pelo menos um ou dois jogadores que joguem de forma mais agressiva a ponto de obter vantagem numérica e quebrar com a defesa dos adversários. Nesse quesito, dois jogadores se saíram melhor durante a fase de grupos.

Principal nome da Kingzone, UBITA é o maior matador da Pro League até o momento. Em três finais de semana de confrontos, ele eliminou nada menos do que 32 inimigos.

A Kingzone é uma equipe que está preocupada mais em somar pontos de abate do que buscar uma boa classificação na partida, por isso UBITA é fundamental. Ele, de quebra, é o recordista de abates numa só queda, com 10 eliminações.

Outro jogador que dita o ritmo do seu time é FIXA, homem de frente da STARS. Dos 12 jogos que contemplaram a fase de grupos, ele só não chamou kills em dois. De resto, sempre fez pelo menos uma vítima, o que gerou uma somatória final de 28 abates.

IMPREVISIBILIDADE

O imprevisível é outro fator fundamental para que seu time tenha sucesso em meio à sobrevivência do Free Fire – e RMCHEU é quem melhor se encaixa nesse quesito.

O jogador dos Cães de Aluguel chama a atenção por ter surpreendido em duas partidas sendo que, pela análise geral, ele se apresentou de forma mediana. Pela oitava e nona quedas, ele chamou seis abates – uma vez que fazia apenas dois por partida.

Foram momentos nos quais RMCHEU provou que pode desestabilizar à favor dos Cães de Aluguel – e isso precisa muito ser levado em consideração para uma etapa decisiva como a que teremos no final de semana agora.

CONSISTÊNCIA

Se imprevisibilidade é fundamental no Free Fire, de nada adianta um time jogar sem constância. É preciso ter equilíbrio para conseguir realizar o básico e somar pontos suficientes para se manter sempre no pelotão de cima.

Foi o que chamou a atenção da The Brothers, que figurou no Top-4 do grupo C desde a primeira semana. E quem materializa essa virtude é Bozzi, o jogador mais constante da equipe.

Foram 22 abates de forma bem distribuídas em 12 quedas. Quase sempre Bozzi fez vítimas pelo mapa, se tornando o termômetro da The Brothers já que sempre conseguiu eliminações em todas as três vitórias que a equipe conquistou.

E você, tem algum jogador que mais chamou a sua atenção? Quem vai chamar a responsabilidade na etapa decisiva da Pro League de Free Fire? Comente na página oficial do Garena Free Fire lá no Facebook!